terça-feira, 28 de julho de 2015


INSTITUTO HISTORICO E GEOGRÁFICO  DE FEIRA DE SANTANA
                                             RESÍDUOS DA HISTÓRIA
                                                    

HOMENS QUE FIZERAM FEIRA DE SANTANA

       É importante trazer para a história de Feira os valores humanos que num passado, não muito distante, deram sua  contribuição para o engrandecimento  da atual Princesa do Sertão.      
      Apenas para citar alguns, dentre muitos, lembramos de Adlberto Pereira e Arcenio Oliveira ,(pai) estes sócios fundadores da grande firma  Marinho Falcão & Cia. ao lado de João Marinho e Hermínio Santos; Luizinho Azevedo, dono da primeira Concessionária de Automóveis em Feira; Elzeário Santana, sócio da Firma Vitor & Elzeário, e também arrendatário, junto com Florisberto Moreira da Silva do Cine-Teatro  Santana; Manoel Eustáquio Rebello de Figueiredo, além de outros,  todos esses meus conhecidos na mocidade, sendo o Sr. Manoel Eustáquio, nosso vizinho na Marechal Deodoro, citado em “O VIGILANTE” de 27 de março de 1878, constante no livro Memórias, de Carlos Brito e Arcenio Oliveira., já citados.  Sobre Manoel Eustáquio só fala que em 1878 foi escolhido para eleitor na eleição para o senado. Mas eu o conheci na década de 30, aposentado e de incomparável respeitabilidade
         Mas não foi só os Cels. Joaquim José Pedreira de Cerqueira, Felipe Pedreira de Cerqueira e os acima lembrados, os únicos injustiçados. Existem pessoas pobres, que também fizeram muito por Feira: jogadores de futebol, como Ingé, imbatível em velocidade, “Cristo”, goleiro que disputava com Ioiô. Tuta Santana e um imenso número de jogadores que faziam parte do Atlético Clube, que hoje só se sabe quando se pesquisa na Folha do Norte das décadas de vinte trinta.
         E o que dizer de D.Dudú Engomadeira, que só engomava para fregueses especiais?  E as velhas parteiras como”mãe fiinha”,  “mãe Maria rezadeira”... quanta gente que foi considerada, (antes das industrias) como as pessoas mais influentes:  Os“Artistas”: alfaiates, sapateiros, seleiros, costureiras, marceneiros, funileiros, pedreiros, cabelereiros (naquela época não se chamava cabeleireiro, era barbeiro), fotógrafos como Soledade (pai de Ciro Soledade, o tabelião), Nafitalino Vieira, seu Gué, Nestor, a pianista Anita, contemporânea e amiga de Georgina...
        É impossível falar de todos agora. Mas prometo, na próxima oportunidade, falarei com mais detalhes, registrando-os na história de Feira de Santana.

5 comentários:

Antônio do Lajedinho disse...

Esta será uma série de comemntários que farei sobre coisas antigas de Feira

Antônio do Lajedinho disse...

sem mais comentáriosw

Antônio do Lajedinho disse...

sem mais comentáriosw

Antônio do Lajedinho disse...

Esta será uma série de comemntários que farei sobre coisas antigas de Feira

Hélio Oliveira disse...

Arcenio Oliveira, que foi de Marinho Santos & cia, era meu pai.

Postar um comentário